fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Guerra econômica: Rússia contorna sanções do Ocidente ou caminha para crise inevitável?

Publicado em

em

Dependência energética da Rússia leva UE a impasse na política de sanções, enquanto Moscou busca parcerias alternativas

Serguei Monin

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |

Imagem da moeda de rublo com a cidade de Moscou, capital da Rússia, ao fundo. – Alexander Nemenov / AFP

Desde março, ainda no primeiro mês da Guerra da Ucrânia, países ocidentais aplicam uma política de sanções sem precedentes contra a Rússia, na tentativa de pressionar Moscou a recuar de suas ações em território ucraniano. No que diz respeito aos rumos da operação militar russa, parece ficar cada vez mais claro que as restrições econômicas não tiveram o efeito desejado.

Isso, portanto, coloca a questão de se a Rússia está conseguindo resistir às sanções ou se o país deve se preparar para uma grave crise econômica em um futuro próximo.

Desde o início da guerra na Ucrânia, a Europa busca maneiras de atingir o setor energético russo. Os principais motivos da resistência da economia russa diante dessas sanções são a grande dependência que a União Europeia tem do gás russo e a alta no preço do petróleo.

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou na semana passada que a política de “contenção e enfraquecimento da Rússia é uma estratégia de longo prazo do Ocidente, e as sanções deram um duro golpe em toda a economia global”.

“Os europeus estão tentando substituir os recursos energéticos russos, mas o resultado de tais ações é bastante previsível: o aumento do preço à vista do gás e o aumento do preço para consumidores e famílias. Isso demonstra mais uma vez que as sanções contra a Rússia prejudicam mais os países que as implementam”, afirmou.

Passados mais de quatro meses da guerra na Ucrânia, a suspeita de que o Ocidente chegou no limite da pressão que é capaz de exercer contra a Rússia não é mais mera retórica do Kremlin para o consumo interno, algo que pode fazer para sustentar suas operações militares. A ideia de que a União Europeia enfrenta um impasse na guerra econômica contra a Rússia ganha força.

Na última terça-feira (12), um conjunto de economistas da fundação “Expertise, Analysis & Policy Network – Re: Russia” em parceria com o portal “The Bell” publicou o estudo “Efeito da conservação: como as sanções contra a Rússia funcionam e não funcionam”. 

Ali, concluem que “raramente as sanções contra determinado país ajudam a mudar sua política”. De acordo com o texto, “o mundo luta há décadas pela globalização e pela eliminação das barreiras que impediam a circulação de capitais e mercadorias”. E segue: “Por causa disso, as medidas contra uma economia em particular são muitas vezes ‘espalhadas’ para outras”. 

Em entrevista ao Brasil de Fato, o economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada da Academia Russa de Economia Nacional, Andrey Zubarev, explicou que a alta dependência energética que a Europa tem da Rússia, combinada com a dinâmica dos preços do petróleo, cria uma espécie de “jogo” em que os efeitos das ações do Ocidente geram um equilíbrio para a balança comercial russa.

“Sim, o Ocidente vai comprar menos petróleo russo, mas todos entendem perfeitamente que se cortarem totalmente a sua compra, o petróleo ficará mais caro. Então [a Rússia] pode vender menos, mas mais caro. E com o gás é a mesma coisa. Por isso, ok, o volume de exportações diminuiu, mas o preço ficou mais alto, sobretudo o gás. Assim, esses efeitos acabam se equilibrando mutuamente. Então foi possível para a Rússia contornar grandes perdas nesse estágio”, destaca o pesquisador.

:: Crise entre Rússia e Otan: da guerra híbrida ao risco de conflito militar ::

O estudo “Efeito da conservação” informa que, em maio, “devido ao aumento dos preços da energia, a inflação anual na zona do euro subiu para 8,1%, e o déficit do comércio exterior da UE atingiu um nível recorde na história da organização, chegando a € 32,4 bilhões”, acrescenta.

Adeus, Europa; reorientação para a Ásia

O primeiro plano concreto para eliminar gradualmente a dependência de combustível russo foi anunciado pela União Europeia em 8 de março. De acordo com o documento, até o final de 2022, a UE deverá reduzir o consumo de gás russo em 67%. Para isso, a estratégia prevê encontrar novos fornecedores e economizar no consumo de combustível.

Já em relação ao petróleo, a organização de Estados se comprometeu a cortar 90% da compra do petróleo russo até o final de 2022. Apesar do volume de exportações do petróleo russo ter caído 15% em junho, estudos mostram que nos 100 primeiros dias após o início da guerra, a Rússia faturou cerca de 93 bilhões de euros com exportações de combustíveis fósseis.

As restrições econômicas fizeram com que a Rússia reorientasse suas exportações para a conquista de novos mercados. Com isso, Moscou aumentou as exportações energéticas para a Índia em cinco vezes entre março e maio, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Já com a China, as exportações de petróleo dobraram no último ano.


Os ministros Serguei Lavrov e Wang Yi afirmaram que relações entre Rússia e China se fortaleceram em meio à “turbulência internacional” / AFP

Para conquistar novos parceiros como a Índia, ou incrementar o comércio com a China, a Rússia ofereceu descontos nas vendas do petróleo de até 30 dólares o barril. Para o economista Andrey Zubarev, esta política comercial tem ajudado o governo russo a contornar as sanções europeias, no entanto, não deixa de oferecer risco à economia russa a longo prazo.

“Outras regiões querem comprar [o petróleo russo], mas eles também racionalizam, não são bobos e dizem: ‘ninguém quer comprar o seu petróleo. É claro que nós podemos comprar, mas com desconto’”, diz Zubarev.

:: Tropas russas na Nicarágua: uma resposta às intervenções dos EUA? ::

De acordo com ele, estudos mostram que o desconto no insumo tem um efeito bastante substancial na economia. “Cerca de 20% de desconto no petróleo pode gerar uma queda de cerca de 1,5% do PIB, isto só por conta do desconto. Isso é bastante coisa”, completa.

Crise no longo prazo

Embora o cenário atual corrobore com o discurso oficial do Kremlin e crie a aparência de que a economia russa está sob controle, análises mais cautelosas indicam que os efeitos das sanções podem ser sentidas no longo prazo.

De acordo com o estudo do “Re: Russia”, um dos principais golpes que o país pode sentir no horizonte é a restrição sobre a importação de alta tecnologia.

“Aqui, as restrições podem afetar a economia por muitos anos. Na Rússia, toda a produção que atende aos padrões modernos é resultado do empréstimo e adaptação de tecnologias e equipamentos mundiais. Se não houver abastecimento, o país ficará em ‘isolamento tecnológico’”, aponta o relatório, citando o ex-chefe do Serviço Federal de Mercados Financeiros da Rússia, Oleg Vyugin.

A competitividade da economia e seu desenvolvimento inovador são determinados, entre outras coisas, por pequenas e médias empresas de alta tecnologia, que representam cerca de 20% do PIB da Rússia. No início de 2022, havia quase 5,9 milhões de pequenas e médias empresas no país, empregando 14,7 milhões de trabalhadores.

Com as sanções aplicadas pela comunidade internacional após 24 de fevereiro, o acesso às mais recentes tecnologias, equipamentos e base de componentes foi severamente afetado, atingindo particularmente o setor de TI. De acordo com várias previsões, o volume do mercado de TI russo em 2022 pode ser reduzido em 39%.

:: União Europeia impõe novas sanções contra Rússia e anuncia mais apoio financeiro à Ucrânia ::

O economista Andrey Zubarev observa que a continuidade da política de sanções vai gerar sim um maior vínculo da Rússia com países como a Índia e a China. No entanto, o pesquisador ressalta que estes países “não vão conseguir substituir as importações de alta tecnologia que a Rússia recebia da Europa e dos EUA”.

“Eu não acredito que o mais ambicioso dos programas de substituição de importações pode, em 5 ou até 10 anos, levar a Rússia a ser uma economia fortemente competitiva e produzir algo interessante. Não, isso não é possível”, acrescenta.

De acordo com o pesquisador, as sanções não afetaram tão fortemente a Rússia no curto prazo, como era desejado por EUA e UE. Mas seu efeito substancial ainda está por vir, já que “o seu efeito prolongado nós ainda vamos observar pelo menos até o final de 2023. Isso é fato”.

Edição: Arturo Hartmann

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

15 motivos para participar da Festa da Uva

Publicado em

em

Certamente essa lista poderia ser muito maior! A quantidade de atrações da 34ª Festa da Uva é imensa, além de muito variada. Crianças e adultos, residentes da cidade e visitantes de longe, todos encontram alguma opção que lhe agrade, seja gastronômica, cultural, artística, etc. Selecionamos aqui apenas algumas alternativas para convidar quem ainda não participou e, por que não, quem já participou, para estar de novo na Festa. Te esperamos até 3 de março!

Ela, a rainha Uva

Que variedades de uva você conhece? Sabe onde são produzidas em Caxias? No mezanino do Centro de Eventos, a Exposição de Uvas exibe as variedades produzidas na cidade. As amostras participaram de um concurso prévio, e as vencedoras estão identificadas. A exposição é uma forma de valorizar nossos viticultores e apresentar ao público o motivo maior da nossa Festa.

Mas a uva, claro, não é só para olhar. Antes de chegar ao mezanino, logo na entrada do Parque de Exposições, você já terá sido agraciado com um cacho prontinho para saborear. E como se precisasse, o cheirinho de uva ao passar sob o parreiral na entrada do Centro de Eventos se encarregará de abrir seu apetite.

Elas, as soberanas

Beleza, sorrisos, simpatia. Em algum momento, na visita aos pavilhões, você vai se deparar com a rainha Lizandra Chinali, as princesas Eduarda Ruzzarin Menezes e Letícia de Carvalho ou com alguma das 12 embaixatrizes da Festa Nacional da Uva.

Também é possível viajar pela história da Festa. Uma galeria no Centro de Eventos exibe as fotos oficiais de todos os trios da história do evento. Um pouco mais adiante, no pavilhão 1, tem as exposições de fotos das ex-rainhas e de vestidos utilizados por algumas soberanas.

Vila dos Distritos

O melhor do nosso interior está na vila dos distritos, certamente umas das atrações mais procuradas pelos visitantes na Festa da Uva. Representantes das subprefeituras trazem a gastronomia, a diversão e a cultura e a arte dos nossos antepassados para o espaço.

A grande atração culinária do espaço é a deliciosa polenta brustolada, com queijo e salame, frita na chapa – e na hora. Um prato serve bem a duas pessoas, mas com gostinho de quero mais.

Foto por Bibiana Ribeiro Mendes

A Festa vista de cima

Tem até esportes radicais para surpreender os visitantes da Festa. Na estrada do Parque é possível andar de tirolesa, fazendo o trajeto sobre o pórtico. Uma estrutura robusta que diverte quem gosta, mas nem tão grande, para que possa encorajar quem nunca se aventurou e vai ter na Festa da Uva sua primeira experiência.

Outra opção, esta já tradicional na Festa da Uva, é o passeio de helicóptero, oportunidade única também de ver a Festa – e a cidade – de cima.

Foto por Rodrigo Rossi

Praça das cidades

A Praça das Cidades é um espaço onde municípios da região estão reunidos para mostrar as atrações dessas localidades. Quando iniciou, a Festa da Uva teve a participação de 10 municípios da Região, que foram convidados a estarem presentes no evento deste ano, assim como outras cidades da região e do litoral.

Vila das Cervejas

Festa da Uva não é só para apreciadores de vinho. A cerveja ganha cada vez mais espaço em Caxias do Sul e região, onde produtores artesanais acumulam prêmios pela qualidade. E, é claro, não poderia faltar um espaço nobre no Parque de Exposições. A Vila das Cervejas fica no fim do pavilhão 2, onde apropriadamente um chope gelado te espera após a caminhada pela exposição. E outra: fica bem perto da feira multisetorial e em frente à área de recreação.

Foto por Bibiana Ribeiro Mendes

Corso alegórico

Uma tradição de décadas que leva a Festa da Uva para o centro da cidade e, ao longo dos anos, deixou de ser um desfile de carros para se tornar uma produção mais elaborada com alegorias, coreografias, iluminação cênica, etc. Neste ano o desfile, que conta com cerca de 1,3 mil artistas e figurantes, foi dividido em três quadros: Cucagna ndove se Sogna; Cucagna ndove se Manga; e Cucagna ndove se fà Festa.

O desfile termina com um grande baile onde todo o público é convidado a participar. Vem dançar e se emocionar!

Estão previstos desfiles ainda nos dias 21, 25 e 28 de fevereiro e 2 de março. O pré-desfile inicia às 19h e o desfile às 20h.

Foto por Rodrigo Rossi

Shows nacionais e locais

Depois do sucesso da boiadeira, faça-se a luz. A próxima atração nacional da Festa da Uva é o mundialmente reconhecido DJ Alok (cujo nome significa “luz” na língua sânscrita). O brasileiro sobe ao palco no sábado, dia 24, mesmo dia do rapper Felipe Ret, nome forte na cena nacional. No dia 2 de março, será a vez de expoentes de dois dos gêneros mais populares do país: o sertanejo de Bruno e Marrone e o pagode do Raça Negra. Os ingressos para esses shows garantem acesso ao parque de exposições.

Além das atrações nacionais, a Festa da Uva 2024 preparou um extenso calendário de apresentações artísticas e culturais para os 18 dias do evento. São mais de 3 mil artistas responsáveis por 941 apresentações, que estão sendo realizadas em 12 locais fixos distribuídos entre as Estações, as Réplicas, no Restaurante e no Salão da Igreja. Há opções para todas as idades, desde corais, grupos de dança, grupos de câmara, instrumentais, gaúchos, teatro e teatro de bonecos. Todas as apresentações são gratuitas.

Gastronomia e Agroindústrias

E o que dizer das delícias que são encontradas na Festa? Além da farta gastronomia já esperada, característica da região, há opções diferentes e criadas especialmente para o evento, como pastel de fortaia, pastel de polenta e sonho com geleia de uva, apenas para citar alguns.

Há opções de mini restaurantes que servem pratos típicos, lanches e doces, entre outros.

E é no espaço das agroindústrias que as delícias do interior podem ser adquiridas para levar para casa. As opções vão de compotas a salame e queijos, além de geleias, massas e biscoitos. É delícia que não termina mais!

Acessibilidade nos Pavilhões e nos desfiles

Esta edição da Festa da Uva deu ampla atenção às pessoas que precisam de atendimento especial e, por isso, a acessibilidade tem sido uma prioridade tanto nos Pavilhões e nos shows quanto no corso alegórico. Foram disponibilizados 1.500 ingressos de acesso ao parque para PCDs. Eles podem ser retirados em bilheteria específica na entrada do parque após cadastro. É necessário apresentar um documento e comprovante da deficiência (como um laudo médico). E se o PCD precisar de acompanhante, o ingresso deste também é gratuito. O parque também conta com rampas de acesso e cadeiras de rodas à disposição.

Nos desfiles alegóricos também há transmissão em libras e audiodescrição, além de uma área especial para os PCDs acompanharem o espetáculo.

Espetáculo Som e Luz

Retomado nesta edição da Festa sob responsabilidade do Sesc, o Som e Luz é um espetáculo que engloba sonorização, imagens e coreografias para contar a história de nossos antepassados imigrantes. Realizado pelo Sesc/RS em parceria com a Comissão Comunitária da Festa. A nova leitura, intitulada “Oblívio”, traz artistas circenses, bailarinos e músicos locais.

Estão agendadas apresentação ainda nos dias 20, 22, 23, 24, 26, 27 e 29 de fevereiro e 1º de março, sempre às 20h. Ingressos: a partir de R$ 5, no site www.sesc-rs.com.br/espetaculosculturais, no Sesc Caxias do Sul (rua Moreira César, 2462) ou na bilheteria do Som e Luz.

Horti Serra Gaúcha

A próxima edição do Horti Serra Gaúcha está prevista para março de 2025, mas a Festa da Uva dá uma amostra do que faz Caxias do Sul ser o maior produtor de hortifrutigranjeiros do Estado. O estande do Horti Serra na Festa apresenta as principais culturas produzidas no município e inovações tecnológicas que auxiliam nesse cultivo.

Feira Multissetorial e Feira de Artesanato

Uma lembrancinha da Festa também tem o seu valor. A feira multissetorial tem uma variedade de expositores de comércio, malharias e confecções, além de utensílios, brinquedos, entre outros.

Feira de Artesanato – A Festa da Uva conta com uma Feira de Artesanato composta por mais de 400 expositores. São artesãos locais que mostram todo seu talento e arte em espaços compartilhados. Eles comercializam diversos tipos de produtos confeccionados manualmente.

Foto por Bibiana Ribeiro Mendes

Jogos Coloniais

É nos jogos coloniais que inicia a Festa da Uva. As divertidas competições como arremesso de queijo e pisa de uva iniciam antes do evento propriamente dito, e ocorrem aos finais de semana nos distritos. Os vencedores de cada etapa se reúnem na final da competição, que será realizada dia 3 de março, em frente à Catedral. O prêmio é de R$ 10 mil e será destinado a uma das escolas da localidade campeã.

Foto por Samuel Rodrigues

Espaço Téti

É um espaço pensado especialmente para as crianças dentro da Festa. O projeto é desenvolvido para encantar crianças de 0 a 12 anos, um local de acolhimento, cultura, interação e diversão para entre as famílias. O Téti conta com um palco na Festa da Uva com atrações e brincadeiras pensadas especificamente para as crianças e famílias.

Continue lendo

Geral

Laçadores caxienses recebem reconhecimento da Prefeitura pela representatividade no 35º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria

Publicado em

em

Certificado Amigo do Esporte foi entregue nesta terça-feira (20/02), pelo prefeito Adiló Didomenico e pelo secretário do Esporte e Lazer, Gabriel Citton

Na manhã desta terça-feira (20/02), o prefeito Adiló Didomenico, junto ao secretário do Esporte e Lazer do Município, Gabriel Citton, realizou a entrega de certificados Amigo do Esporte a dois caxienses, pela representatividade no 35º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria. O encontro, realizado no Salão Nobre do Centro Administrativo, reuniu os laçadores Joelsio Andrade e Luan da Silva, que conquistaram título na categoria “Laço Dupla Força A”, durante o evento que ocorreu entre 3 e 11 fevereiro do presente ano.

Também estiveram presentes o diretor-geral da Smel, Francis Cerutti, amigos e familiares dos homenageados.

Joelsio, que também conquistou o título na categoria “Laço Pai e Filho”, junto ao pai, João Andrade, destacou a importância do reconhecimento aos atletas e à modalidade. “Ter o reconhecimento da cidade, a gente que representa Caxias por todos os lugares que vai, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso… Receber esse reconhecimento é muito importante”, comentou.

“É um sentimento muito gratificante! Além de a gente ter conseguido o título, foi uma linda homenagem que fizeram pra nós. É muito gratificante representar a cidade neste grande rodeio, que é copa do mundo do laço”, finalizou Luan.

Certificado Amigo do Esporte

Previsto na Lei Municipal 7.699, de 2013, de autoria do vereador Felipe Gremelmaier, o Certificado Amigo do Esporte (CAE), tem o objetivo de valorizar aos apoiadores, atletas e profissionais do esporte no Município.

Continue lendo

Geral

Ação arrecada 1,2 mil quilos de alimentos na Festa da Uva

Publicado em

em

Volume das doações do público do evento surpreendeu positivamente

A Diretoria de Segurança Alimentar e Nutricional/Banco de Alimentos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Smapa) arrecadou 1,2 mil quilos de alimentos nesta segunda-feira (19/02), na entrada do Parque de Eventos da Festa da Uva. O público aproveitou o dia de acesso gratuito ao evento e doou diversos gêneros alimentícios (o que não era obrigatório). A equipe vai repetir a ação no próximo dia 26/02, quando também haverá entrada franca.

O resultado da ação surpreendeu positivamente a equipe. “As doações superaram nossas expectativas e o Banco de Alimentos agradece aos visitantes pela solidariedade”, afirma a diretora de Segurança Alimentar e Nutricional, Cristina Fabian Gregoletto.

Todos os gêneros alimentícios arrecadados durante a Festa da Uva serão destinados às 112 entidades cadastradas no Banco de Alimentos. Desde sua criação, em 2005, o Banco já distribuiu mais de 12 milhões de quilos de alimentos a famílias do Município. O programa tem como objetivo evitar o desperdício de alimentos e promover a segurança alimentar da população em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar.

Quem quiser ser voluntário no Banco de Alimentos e demais Programas de Segurança Alimentar, pode entrar em contato pelo fone/WhatsApp (54) 98429-6291.

Fotos: Smapa

Continue lendo