fbpx
Conecte-se conosco

Saúde

Caxias do Sul passa a oferecer gratuitamente aos estudantes da rede municipal exame não disponível pela tabela SUS

Publicado em

em

Tratamento pelo sistema público depende de verificação que até então só podia ser obtida por plano de saúde ou pagamento particular

Em uma sala de aula, enquanto a professora fala, misturam-se o barulho de conversas paralelas, carros passando na rua, alguém andando pelo corredor, uma porta batendo lá longe, a bagunça do recreio ou o alarido típico de uma atividade de educação física, ocorrendo no pátio. Como qualquer pessoa que tenta prestar atenção em algum assunto, o estudante precisa isolar todo ruído ao redor e se concentrar apenas no que está sendo dito pela educadora. A esta habilidade dá-se o nome de Processamento Auditivo Central (PAC). Só que nem sempre ela funciona muito bem. E quando isso acontece, os sons ficam todos embaralhados no cérebro e surgem, entre outros problemas, dificuldades de aprendizagem e de comunicação. O problema tem solução, com tratamento disponível pelo SUS. Mas o encaminhamento depende de um exame não coberto pelo sistema público: para conseguir, só pagando particular. Uma realidade que começa a mudar para os estudantes da rede municipal de Caxias do Sul.

A partir da segunda quinzena de novembro, a Secretaria Municipal de Educação (SMED), graças a uma parceria inédita com a Associação Cultural e Científica Virvi Ramos – por meio do Centro de Saúde Clélia Manfro –, passa a oferecer gratuitamente a aferição de Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) a todos os matriculados. O serviço estará disponível durante todo o período letivo – ou seja, até a primeira quinzena de dezembro de 2022, com retorno em fevereiro de 2023. Como a atividade conta com participação das acadêmicas de fonoaudiologia da Faculdade Fátima, o calendário de atendimentos coincide com o de aulas. A partir do resultado do exame, que verifica ou não eventuais anormalidades na capacidade auditiva, se encaminha o estudante para tratamento via UBS.

“É diferente de um exame de surdez, por exemplo, que é o mais conhecido e está coberto pelo SUS. O exame do Processamento Auditivo Central se refere ao conjunto de habilidades específicas das quais o indivíduo depende para compreender o que ouve”, explica a fonoaudióloga Anelise Andrade, integrante do COMUNICAR – Núcleo de Fonoaudiologia da SMED.

Recentemente, pesquisas têm constatado a relação do Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) com dificuldades e transtornos específicos de aprendizagem.

“A possibilidade de disponibilizar este exame gratuitamente na rede municipal de ensino é um achado muito positivo para a educação. Muitas vezes os profissionais se veem limitados nas intervenções com os estudantes, cuja evolução dos aspectos da aprendizagem está comprometida em função da alteração do Processamento Auditivo Central. Há estratégias cientificamente comprovadas de reabilitação das habilidades auditivas alteradas, possibilitando um melhor desempenho escolar”, comenta a diretora Pedagógica da SMED, Paula Martinazzo.

O transtorno pode ser tratado com terapia fonoaudiológica específica, disponível via SUS, porém, para isto, é necessária a Avaliação do Processamento Auditivo Central (APAC) que aponta as habilidades auditivas comprometidas e sugere condutas necessárias.

“Quem faz a solicitação do exame é o médico ou profissional de fonoaudiologia e a escola, por meio de uma ficha, faz o encaminhamento. É uma simples série de testes, não dói nada. Se for percebida alguma alteração, se encaminha o estudante para terapia fonoaudiológica na rede municipal de saúde”, informa a fonoaudióloga Anelise Andrade.

Como é feito o encaminhamento

  • O estudante deve possuir solicitação médica ou fonoaudiológica para realizar a Avaliação do Processamento Auditivo. A solicitação deve ser entregue à escola pelo responsável do estudante
  • A escola preenche a ficha de encaminhamento para a avaliação, disponível na página do COMUNICAR no Portal da Educação e anexa a solicitação entregue pelo responsável
  • A escola entrega a documentação, de forma física, no Setor Pedagógico da Secretaria Municipal da Educação para as fonoaudiólogas do COMUNICAR e aguarda o contato para o agendamento do exame

Orientações gerais para o exame

  • O exame pode ser realizado apenas em crianças a partir dos sete anos de idade
  • Ir bem alimentado e descansado
  • A criança não pode estar gripada no dia do exame
  • Caso a criança faça uso de medicações contínuas, utilizar a medicação normalmente no dia do exame
  • O exame é realizado em um único dia, mas com duas sessões com duração de 1 hora e 30 minutos cada
  • Comparecer no horário marcado, acompanhado do responsável, com os exames audiológicos (se possuir)

Fotos: Samuel Maciel

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Hemocs recebe metade das doações de sangue necessárias para manter estoque

Publicado em

em

Serviço atende em horário normal no período de férias

O Hemocentro Regional de Caxias do Sul (Hemocs) pede apoio da comunidade para manter estoques de sangue em dia. Para operar com tranquilidade, o Hemocentro precisaria de 60 doadores diários, mas desde o início do ano a média tem sido de 30 a 35 doações por dia. No momento, apenas os tipos sanguíneos B+ e B- estão estáveis. “Nesta época do ano é comum ter uma demanda de doações menor. Por isso, é importante que quem já teve interesse em doar separe um tempo neste início de ano para realizar este ato de solidariedade”, explica a assistente social do setor de captação de doadores, Roberta Girardello Rizzon.

As doações realizadas no Hemocentro são fracionadas e distribuídas via agências transfusionais para os 49 municípios da região. As bolsas são utilizadas em casos de acidentes, tratamentos de câncer, complicações em cirurgias e outros tratamentos de saúde.

Para a doação ser feita de forma segura tanto para o doador quanto para o receptor existem critérios básicos estabelecidos pelo Ministério da Saúde para serem seguidos. Dentre eles, pesar mais de 50 quilos, não fumar duas horas antes da doação, estar bem alimentado e não comer frituras, entre outros (leia a lista completa abaixo).

No período de férias, o Hemocentro trabalha normalmente, das 8h15 às 16h45, de segunda a sexta-feira, e das 8h às 12h aos sábados. As doações podem ser agendadas pelo whatsapp (54) 9 8418.8487 ou pelos telefones (54) 3290.4543 e 3290.4536. O serviço funciona na Rua Ernesto Alves, 2260, ao lado da UPA Central.

Situação na segunda-feira (16/01)

  • A-: 10 bolsas (em alerta)
  • A+: 24 bolsas (crítico)
  • AB-: 01 bolsa (crítico)
  • AB+: 02 bolsas (crítico)
  • B-: 05 bolsas (estável)
  • B+: 19 bolsas (estável)
  • O-: 10 bolsas (crítico)
  • O+: 70 bolsas (em alerta)

Critérios básicos para a doação de sangue

  • Estar bem de saúde
  • Pesar mais de 50 quilos
  • Dormir, no mínimo, seis horas na noite anterior à doação
  • Não estar em jejum
  • Evitar alimentos gordurosos nas três horas anteriores à doação
  • Não ingerir bebida alcoólica nas 12 horas anteriores à doação
  • Não fumar por, pelo menos, duas horas antes da doação
  • Ter idade entre 18 e 69 anos,11 meses e 29 dias. A primeira doação deve acontecer antes dos 61 anos
  • Apresentar documento oficial de identificação original: RG, carteira de trabalho, certificado de reservista, carteira de conselho profissional ou carteira de habilitação (pode ser digital)

Foto por Betânia Ramalho da Silva

Continue lendo

Saúde

Coronavírus e vacinação: atualização da situação em Caxias do Sul

Publicado em

em

16/01/2022

Vacinação

População total vacinada

  • População estimada: 517.451
  • Ao menos uma dose (D1 ou DU): 83,26%
  • Esquema Vacinal Primário (D2 ou DU): 77,65%
  • Esquema Vacinal Completo (D3): 44,75%
  • Segundo reforço (D4): 15,60%

Para mais informações acesse https://covid.caxias.rs.gov.br/vacinacao/

Dados covid-19

  • 166.155 casos positivos
  • 4 pacientes caxienses e de outros municípios em leitos de UTI de hospitais de Caxias
  • 13 pacientes caxienses e de outros municípios em leitos de enfermaria em hospitais de Caxias
  • 1.686 óbitos

Continue lendo

Saúde

Guarda Municipal salva bebê engasgado

Publicado em

em

Salvamento ocorreu na noite desta quarta-feira (11), no Bairro Cidade Industrial, durante ronda ostensiva municipal

Uma guarnição da Guarda Municipal foi abordada por um veículo durante ronda rotineira, no Bairro Cidade Industrial, nesta quarta-feira (11/01), para atendimento de emergência de um bebê de 12 dias. O casal Adriel Gustavo Rocha Lussani e Graziele Teixeira da Silva, pais da pequena Helena, estava indo ao hospital para buscar ajuda quando avistaram a viatura da Guarda Municipal.

Os servidores Ricardo Borges Maciel, Carlos Albeto Dalbosco e Márcio Ramos Laguna atenderam o bebê e acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O guarda municipal Márcio Ramos Laguna deu início aos procedimentos de primeiros socorros, realizando a Manobra de Heimlich, utilizada para desobstruir as vias aéreas. A técnica consiste em apoiar o bebê sobre o braço, com a cabeça mais abaixo do que o restante do corpo, e dar tapas com a mão no meio das costas da criança, entre os ombros. Em poucos instantes, a recém-nascida recuperou os sinais vitais. Após o procedimento, a bebê, que passa bem, foi encaminhada pelo Samu para atendimento médico e liberada logo após.

O pai de Helena agradeceu aos servidores pelo atendimento e por terem salvo a vida da filha. “Eles foram heróis, agradecemos de coração por terem salvo a vida da Helena. O atendimento foi primoroso, nos tranquilizaram durante todo tempo e ficaram conosco até a chegada da Samu”, comentou Adriel Gustavo Rocha Lussani.

A Guarda Municipal, que tem como lema “Guardar, Proteger, Servir”, completou 25 anos de atuação no município em 2022, sempre de prontidão para atender a comunidade. Em caso de emergências, a Guarda Municipal pode ser acionada pelo fone 153.

Continue lendo